Arrow

Últimas Notícias

Gravidade dos confrontos no Egito despertam temor de uma guerra civil.

Gravidade dos confrontos no Egito despertam temor de uma guerra civil.



O Egito foi cenário nesta sexta-feira de graves confrontos entre partidários e opositores do presidente deposto Mohammed Mursi que deixaram centenas de mortos em todo o país, em uma "sexta-feira da ira" que despertou temores de uma guerra civil no país.

O número de vítimas ainda é contraditório: o Ministério da Saúde confirmou até agora 17 mortos e 82 feridos em todas as províncias, enquanto a Irmandade Muçulmana, grupo islamita que Mursi fez parte até chegar à presidência, acusam a morte de mais de cem pessoas.
Tanto fontes dos serviços de segurança como a imprensa egípcia informaram durante todo o dia sobre vítimas em diferentes pontos do Egito, como Alexandria (norte), Ismailiya (leste), Damieta (norte) e Sohag (sul).
Os distúrbios começaram depois da oração do meio-dia da sexta-feira durante as manifestações que os seguidores de Mursi convocaram em várias mesquitas para rejeitar a desmontagem dos acampamentos que mantinham em protesto pela derrubada de Mursi no Cairo na quarta-feira.
A concentração mais importante aconteceu no bairro de Ramsés, nos arredores da mesquita de Al Fattouh, onde milhares de membros da Irmandade se reuniram apesar do intenso policiamento nas ruas do Cairo e da presença de voluntários contrários a Mursi armados com pedaços de pau e armas brancas.
Ali explodiram os choques mais graves da capital, em que os grupos acusam um ao outro de usar armas de fogo e que, segundo a Irmandade, provocaram mais de 60 mortos. A delegacia de Ezbeqiya, uma das principais da cidade, foi atacada pelos manifestantes, o que causou 15 mortes, afirmam fontes de segurança.
O exército intensificou o reforço nos arredores da praça Tahrir ao mandar carros de combate, e também para outras regiões sensíveis da capital e das províncias.
A tensão era elevada no Cairo, onde as manifestações da Irmandade avançaram rodeadas pelos contrários a Mursi. Tanto na capital como em outras províncias aconteceram ataques contra delegacias, igrejas, sedes de governos provinciais e fechamento de estradas com pneus incendiados.
Os distúrbios foram especialmente violentos na segunda maior cidade do país, Alexandria, onde pelo menos 16 pessoas morreram e mais de cem ficaram feridas em confrontos nos distritos de Sidi Bishr, Derbala, Ibrahimiya e Sumuha. Mais de 200 pessoas ainda foram detidas acusadas de terem participado dos confrontos.
O governo egípcio anunciou em comunicado que enfrenta um "plano terrorista" da Irmandade Muçulmana e pediu aos cidadãos a união nacional e que deixem de lado as provocações que incitam à divisão do país.
A Irmandade optou no final do dia por encerrar as passeatas e retirar seus seguidores das ruas, mas advertiu que realizará protestos diários durante uma semana.
Um dos porta-vozes do grupo, Gehad al Haddad, anunciou no Twitter que a partir desta sexta-feira "começou a Semana da Ira para derrubar o golpe, e haverá manifestações pacíficas diárias em todas as províncias do Egito saindo dos mesmos pontos de congregação".
As reações no mundo árabe não demoraram, e tanto Arábia Saudita como os Emirados Árabes Unidos expressaram apoio à luta dos egípcios "contra o terrorismo".
Em Amã e em Cartum, centenas de pessoas saíram às ruas para manifestar apoio aos partidários de Mursi em manifestações organizadas pelos partidos islamitas.
A tensão aumentou entre Egito e Turquia, que hoje decidiram consultar seus respectivos embaixadores, cujos laços se deterioraram desde que Mursi foi deposto pelo exército em 3 de julho.
As autoridades do Cairo cancelaram as manobras militares marítimas conjuntas que eram previstas com a Turquia para outubro por considerar "a ingerência flagrante" de Ancara nos assuntos egípcios.
Fonte: EFE

Compartilhe!

Leia outras notícias

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Acompanhe por e-mail

Connect-se!

Páginas Visitadas