Arrow

Últimas Notícias

Refluxo dos bebês. Quando ficar preocupado?

Refluxo dos bebês. Quando ficar preocupado?

Cerca de 50% dos bebês apresentam um refluxo fisiológico nos primeiros quatro meses de vida. Segundo Soraia Tahan, professora adjunta de gastroenterologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), as regurgitações são muito comuns e, na maioria das vezes, não há motivos para os pais se preocuparem.
De acordo com a médica, esse incômodo é causado por um relaxamento inadequado e transitório de uma camada muscular que fica acima do estômago. "Quando ela relaxa de maneira inadequada, o alimento volta para o esôfago", explica.

Quando o refluxo é doença

Se, além de regurgitar ou vomitar, seu bebê tem dificuldade de ganhar peso e apresenta irritabilidade ou desconforto ao mamar, vale a pena ficar alerta.
Essas são, segundo Soraia Tahan, algumas das manifestações da chamada doença do refluxo gastroesofágico. Nesse caso, a criança também pode sentir dor quando come ou apresentar irritabilidade porque a doença pode causar uma inflamação do esôfago, a chamada esofagite.
Também podem aparecer, de acordo com a professora, manifestações respiratórias. A mais comum é a apneia, que é quando a criança para de respirar por conta de um refluxo grave.
O diagnóstico da doença de refluxo só pode ser feito por um médico. "O que os pais podem e devem fazer sempre é um acompanhamento pediátrico", orienta.

O que pode ajudar

O ideal é que o bebê não passe por intervalos muito longos entre as mamadas. E, depois da amamentação, a criança deve ficar em pé no colo para arrotar e se sentir mais confortável.
Para quem não está em aleitamento materno, existem, segundo a professora, fórmulas (leites infantis) com uma goma que atua como um espessante, diminuindo o refluxo. As fórmulas, no entanto, não servem para o refluxo patológico, apenas para o fisiológico, que tende a desaparecer com o tempo. "Com seis meses, o refluxo fisiológico começa a melhorar. Com um ano, há pouco sintomas e, com 18 meses, a criança quase não tem mais sintomas", explica Soraia Tahan. 

 Fonte: Site Meu bebê

Compartilhe!

Leia outras notícias

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Acompanhe por e-mail

Connect-se!

Páginas Visitadas